sábado, 5 de abril de 2008

PONTE DE SOR:Multinacional Delphi confirma encerramento

A multinacional norte-americana Delphi confirmou que vai encerrar a fábrica de Ponte de Sor, justificando a decisão com as "várias tentativas sem sucesso" para vender "linhas de produto-não-chave" produzidas na unidade.
Em comunicado, a direcção da Delphi em Portugal diz estar consciente do "impacto que a implementação desta decisão terá nos seus stakeholders [todos os que têm interesses na empresa], incluindo empregados, clientes, fornecedores e comunidades".A empresa, que é a maior unidade industrial do distrito de Portalegre, comunicou esta sexta-feira a decisão do fecho da fábrica de Ponte de Sor aos trabalhadores e seus representantes, e às "entidades oficiais".Além disso, acrescenta o comunicado, o grupo norte-americano garante também ter "iniciado o diálogo" com os representantes dos trabalhadores para "rapidamente ser atingido um acordo que minimize o impacto social" do fecho da unidade. A fábrica de Ponte de Sor emprega 439 pessoas [efectivos] e fabrica apoios, mecanismos para portas de correr automatizadas e sistema de protecção de ocupantes para vários modelos de veículos automóveis.

18 comentários:

Zé do Cão disse...

é mais uns tantos a arranjar emprego a juntar aos 200 mil prometidos aquando a campanha eleitoral.

tempoparaamar disse...

Tudo a fechar,onde vamos parar.Bom fim de semana

Anónimo disse...

Com o encerramento da delphi na Ponte é uma grande perda para a região. Tanto para o conselho ponte sorense como para o distrito de portalegre.
É que para além da delphi ser uma multi-nacional, era uma fabrica que empregava mais de 400 pessoas, e tinha dimensão na economia daquele conselho. E o que será feita agora dessas 400 e tal pessoas? vão ficar sem nada...
A alguma solução para esta gente? É que não pode ser esquecido que muitas pessoas eram marido e mulheres e aquilo era o seu ganha pão.

Anónimo disse...

è de lamentar o fecho desta fabrica na região ALENTEJO. O trabalho´é percario e cada vez menos temos os postos de trabalho assegurados. Lamenta-se que 439 pessoas fiquem nas ruas das amarguras. De certeza que tem pessoas a seu encargo e o ordenado era-lhes bastante importante face as suas necessidades. Desde já quero deixar um apelo ao municipio da PSR para que intervenha junto das entidades competentes.

Lumife disse...

Mais um golpe dado no desenvolvimento do Alentejo e a ausência de respeito pela vida humana ao colocar no desemprego tal quantidade de pessoas.

Há uma crise geral mas a maior é a dum governo que não se sabe antecipar às crises que afectam centenas de cidadãos.


Abraço

Anónimo disse...

A Delphi vai para o norte de África explorar outros ainda mais desafortunados do que nós. Temos uma economia fraca, vulnerável e baseada em empresas cuja localização depende apenas de quão barata é a mão-de-obra. Os governos procuram atrair investidores estrangeiros, dando-lhes apoios para se instalarem, mas eles abalam quando querem, sem dizerem água vai e sem que, entretanto, tenham sido criadas alternativas. O compromisso social dessas empresas para com as comunidades de inserção não existe. Lançam centenas de pessoas no desemprego sem qualquer problema. Só a maximização do lucro lhes interessa. É o capitalismo selvagem e a globalização desregrada a funcionar. Sem respeito por nada nem por ninguém. Portugal, nestes casos comporta-se e é tratado como terceiro-mundista. Mal reage.
Basear a economia e a atracção de investimentos exclusivamente em políticas de baixos salários e de redução dos direitos laborais, não é solução.

Anónimo disse...

É nascer e morrer sempre na miséria.

Transtagano disse...

A Delphi não é mais que uma multinacional.Segundo a doutrina do capital intrnacional estas empresas instalarse-ão onde puderem rentabilizar mais os seus investimentos -Lucro.
Já cmpriram o seu papel em Ponte Sor agora vão para outra parte do mundo explorar outro povo.Terminada essa exploração irão para outro lado.
E nós o que fazemos?
Constatamos?
As Autarquias nada tem para dizer?
O Governo o que acha?
Pobre terra TRANSTAGANA.

Anónimo disse...

Segundo o transtagano não deixam de ser multinacionais. Mas essas mesmo multinacionais são as que empregam centenas de pessoas no conselho da ponte de sor. E que alternativas terão esses mesmos trabalhadores? Irem para o desemprego. Não pode ser esquecido que os rendimentos de alguns agragados familiares eram originarios unica e exclusivamente do salario aoferido da empresa.

xistosa disse...

Inexoravelmente, as melgas, depois de sugarem tudo, incentivos e isenções para se instalarem, abandonam os "pacientes" sugados à sua sorte.
Já o escrevi ... não me lembro onde ...
Estas grandiosas máquinas de fazerem dinheiro, quando o papel fica caro desaparecem ... mas se, (como na BANCA), fossem obrigados a ssinar contratos duma certa duração e depositarem uma caução ... já não mordiam assim e fugiam para outras paragens, onde vão sugar sangue fresco
Razão tinha o Zeca Afonso e não era com estes ...
ELES COMEM TUDO ... E NÃO DEIXAM NADA.

É POR CASOS IDÊNTICOS e não só, QUE O TRATADO DE lISBOA DEVERIA TER SIDO REFERENDADO ...

Zé Povinho disse...

O sucesso económico de que se gaba o governo está bem à vista: o desemprego aumenta, o trabalho é cada vez mais precário, os vencimentos não acompanham o aumento do custo de vida.
Não sei porque teimam em pintar a coisa de rosa, porque o que está à vista é bem negro.
Abraço do Zé

Alice Matos disse...

Mais um golpe no nosso povo...
E assim se sucede, vez após vez... basta estar um pouco atento às notícias...
Tantos anos de história para construir um país que está, sem pingo de vergonha, a ser vendido... roubado... massacrado... desiludido...

Depois... os concursos que procuram incentivar a construção de pequenas empresas... Esta só pode ser para rir... Se não fosse trágico até teria alguma piada...

Um beijo amigo...

Anónimo disse...

A multinacional americana Tenneco está interessada em comprar as instalações da Delphi em Portalegre, depois de no início de Março ter acordado a compra de vários activos, nos EUA, da empresa norte-americana, revela o Jornal de Negócios esta segunda-feira.
O futuro dos quase 500 trabalhadores da unidade da Delphi em Ponte de Sor, Portalegre, «pode afinal vir a ser mais risonho do que era esperado quando, na sexta-feira, foi confirmado o fecho da fábrica no primeiro trimestre de 2009».

A Tenneco - um dos líderes mundiais no design, produção e venda de controladores de emissões, no valor de cerca de 3,9 mil milhões de euros (6,2 mil milhões de dólares à cotação de sexta-feira), e 21 mil empregados - não é, no entanto, a única potencial compradora.

Na corrida há ainda duas empresas portuguesas, tal como afirmou o presidente da AICEP, Basílio Horta, nota o jornal.

the_hammer disse...

Uma vergonha. E tudo sem que haja medidas governamentais para para o impedir! Na Alemanha o encerramento de uma fábrica da Nokia em Bochum levou o Gauleiter da Vestefália a incitar um boicote aos telemóveis desta marca - e entre nós? O Governo tudo aceita, em tudo transige, está-se marimbando para o Povo. Uerge resistir!

Marreta disse...

Daqui a uns tempos vai ressurgir lá para o Paquistão ou Índia...
Saudações do Marreta.

poetaeusou . . . disse...

*
e ainda faltam nove meses,
até ao fim do ano . . .
e ... quando voltarem,
das férias de agosto ?
,
abç
,
*

Zé do Cão disse...

Não sou, não fui corticeiro. Somente falo nisto porque era um bem nosso, só nosso e que dava trabalho a milhares de portugueses.
As fabricas por cá, distribuidas por todo o País estão em agonia, estão em morte lenta.
As multinacionais partem e deixam a malta nas miséria.
E os industriais portugueses que despedem cá, fazem agonizar ou outros e vão prá China montar fábricas para trabalhar a nossa cortiça com a conivencia do governo portugues?

Zé do Cão disse...

E curioso como tenho falado nesta coisa da cortiça e nenhum portugues comenta, lamenta e fica triste pelos factos veridicos e contados, todavia ficam chocados por uma multinacional abandonar o pais e irem para o estrangeiro ficam no desemprego X.
Então não há empresas portuguesas a fechar, ficando na rua milhares e milhares de corticeiros e são os proprios portugueses, patriotas que estão a fazer fabricas na China, abandonando os seus iguais.
E o pior é que já foi dito ao governo e a todos os partidos politicos e todos, todos, todos se calam.
Merda, não me venham falar mais de fabricas estrangeiras que fecham.