sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

SAUDE: PS chumba projectos do PCP e BE

O PS chumbou hoje os projectos de resolução do PCP e do BE que visam a suspensão do encerramento dos serviços de urgência, alegando que a reforma em curso traz benefícios e, por isso, é para continuar. Contactado , o deputado socialista da Comissão Parlamentar de Saúde Vasco Franco adiantou que o PS inviabilizará estas iniciativas, que serão discutidas no Parlamento, embora revele que compreende "o papel da oposição". "O papel da oposição é pressionar a ministra [da Saúde] que acaba de entrar e está a dar sinais de que a política que é preciso prosseguir vai ser prosseguida", afirmou.

20 comentários:

Anónimo disse...

É claro que o PS chumbou a resolução do BE e do PCP. Eu não estou de acordo com este tipo de politica do partido socialista, pois tenho a certeza que com estas atitudes quem sai prejudicado é o povo. Mais uma vez ficamos limitados à saude.
Pagamos taxas moderadores abusadissimas, a saude está pelas pontas, e com este tipo de aitudes pior ainda. Até onde irá o nosso governo com este tipo de politicas?

Anónimo disse...

Tudo o que for feito em prol da pouplação portuguesa o governo do sócrates chumba. Este governo está mesmo numa de arrasar com os portugueses.

Anónimo disse...

Este governo esta-se nas tintas que os serviços de urgências encerrem, eles estão-se mais é nas tintas para a população. E a oposição?? o que tem a dizer sobre isto??

Anónimo disse...

Ninguém tem nada a acresentar?

Zé do Cão disse...

Ao anónimo da 1:00. É ao Templo do Giraldo que compete moderar o seu blog. Todavia de ele autorizar e sobre a tua pergunta, acrescento isto.
Em relação ás taxas moderadores, não me parecem assim tão abusadoras, já que a maioria da população não as pagas e o valor não é assim tão cáro.
No entanto oportunamente volto à carga sobre as taxas.
Sobre o SNS, pois meus filhos, desenganem-se esta guerra só acaba
quando ele estiver completamente desmantelado.
Então sim os politicos podem dormir descançados, porque se o povo vive ma miséria,isso que lhes interessa a eles. Desde que chegue para os seus vencimentos e quanto maior melhor.
Faço sempre uns comentários longos, mas desta vez fico por aqui, pode ser que agudize outros intervenientes a botar palavra. E o exito deste blog depende disso mesmo.

Alice Matos disse...

Isto é no que respeita à saúde... eu, que respiro educação, estou a ficar sufocada...

Obrigada pela visita... Voltarei... afinal são notícias da minha terra...

Zé do Cão disse...

Alice, compreendo muitissimo bem o sufuco da malta da educação.
Os abutres, quando tiverem comido a carne toda, safam-se e fica os ossos espalhados por toda a parte.
Um Bjinho moça Alentejana de Evora, sei que o bloguista "Templo" fica todo derretido por ter visitas de conterraneos. As origens, está-lhe no sangue.

Zé do Cão disse...

Bolas, asnático, sim . Tanto não
Queria dizer sufoco.
Desculpe-me

Anónimo disse...

O partido Socialista no governo é igual ao Psd.Politica de Saúde?
Quem quer saúde que a pague.No nosso Alentejo cada vez estamos piores qualquer dia nem dinheiro temos para o pão.

Desambientado disse...

São por essas e por outras que assistimos às declarações da SEDES:

"O mal-estar e a degradação da confiança, a espiral descendente em que o regime parece ter mergulhado, têm como consequência inevitável o seu bloqueamento. E se essa espiral descendente continuar, emergirá, mais cedo ou mais tarde, uma crise social de contornos difíceis de prever."

Anónimo disse...

Ai o zé não acha que as taxas moderadoras sejam um abuso?
Ou ele é um homem muito afortunado ou então não tem noção real do aumento destas taxas, senão vejamos:

1 Consulta em 2007 rondava os 2.80€
em 2008 a mesma conslta ja anda na casa dos 4€ e tal.

1 Urgência em 2007 rondava os 7.75€em 2008 ja anda na casa dos 9.20€.
Isto podem não ser os valores reais mas devem lá andar muito perto.

E agora pergunto eu se isto não é um aumento brutal, então o que será??
É que vejamos, só em Portugal é que se tem de pagar o serviço nacional de saude com estes valores, e depois temos o nível da economia e do poder de compra que na genaralidade é muito baixo.
Qualquer dia se queremos ter direito à saude temos de roubar para sobreviver.

Manuel Damas disse...

Parabéns pelo blog.
Vou voltar.
Um abraço.

Anónimo disse...

Neste caso especifico fala-se da saude, mas existem tantos outros casos, senão veja-se o caso dos professores que para exercerem tem de assinar contratos percarios, o dos funcionarios publicos que viram as suas carreiras congeladas há mais de 2 anos, da industria da hotelaria e do turismo que cada vez mais trabalham horas e horas e depois no fim levam um ordenado que é uma miséria.. E para quem vai o beneficio do trabalho destas pessoas? É claro que é para os bolsos dos grandes patronatos e para o governo.

Anónimo disse...

E as reflexões da SEDES tem na sua génese empresários e homens ligados ao ps e psd.

São disse...

E assim vão as coisa em nosso país...
Bom fim de semana.

Mocho-Real disse...

Ora muito boa tarde!

Vim cá espreitar e ver se me agradava, como disse.

Gostei, sim senhor/a! É um bom blogue que presta serviço público ao Alentejo de que tanto gosto! Força e vou dar o meu apoio.

Agora, passando ao comentário a este último tema, o que creio é que os deputados são, hoje, meros funcionários dos partidos.
Com a maioria absoluta, assiste-se a que o governo é que legisla e executa. Veja-se: o conselho de ministros decide e redige desdo logo uma mal amanhada lei. Esta vai ao Parlamento que a aprova sem a menor repulsa.
Pode dizer a oposição o que quiser que a lei é aprovada pela maioria dos deputados do partido do governo. Como se existisse apenas um partido único, como era a União Nacional de má memória.
Depois, às vezes, a AR nem mesmo redige as leis ou elimina erros contidos nas propostas do governo. Daí que, nos últimos tempos, as leis a revogar outras mal eleboradas são quase tantas como aquelas que não se alteram!!

Em resumo: no caso concreto da reforma do serviço de saúde, como na da educação, o que está em causa não são as discussões que se deveriam ter à volta dos problemas. É, sim, a forma de convencer os incrédulos de que as políticas governamentais são sempre as melhores para o país.

Eu não acredito, claro!

Cumprimentos e continuação de bom serviço público gratuito!

Jorge G. - "O Sino da Aldeia"

Zé do Cão disse...

Habitualmente só dou um comentário por dia. Todavia gostei da reação do anónimo das 14,15 (parece a partida do comboio). É verdade anónimo não acho caro a taxa moderadoura para as consultas nos Centros de Saúde. Também disse que oportunamente ía voltar às taxas moderadouras. E volto podem crer.
O comentarista "Desambientado" trouxe um assunto que corresponde à verdade.
Mais cedo ou mais tarde, a crise social (ela já cá está)rebenta e com contornos dificeis de prever.
Sobre a politica e sobre os partidos, estão cá temos que viver com eles, ditam as leis.....
Mas, sem repetir o que penso disso já me identifiquei num comentário anterior e não tinha problema em o repetir.
É que, nesta altura o blog já está e ser visitado por SENHORAS, (de letra e grandes)e demais da terra, que não merecem ser confrontadas com palavras menos educadas.

Zé do Cão disse...

Ó anónimo, desculpa lá, mas passou-me
não te dar uma resposta sobre as minhas possibilidades ecómicas.
Digo-te que sou reformado, por ter chegado ao limite de idade, imposto para nos podermos reforma obrigatóriamente. Comecei aos 18 e foi sempre até agora. Tenho uma reforma mediana, não sou ex-de qualquer coisa, porque se fosse então teria uma reforma que se visse. Essa, é para os politiqueiros, afilhados, bufos (passaram outra vez a haver)etc.etc.
Tá bem? Um abração para vocês malta do Alentejo




Sempre paguei as taxas moderadouras

Anónimo disse...

Pois é zé tu, e felizmente para ti ja estas reformado. Eu por outro lado ainda tenho muitos anos de trabalho pela frente e receio que quando chegar a altura da minha aposentação, já não haver dinheiro para mim.
Até lá tenho de me resignar e protestar da maneira que posso. Para tu receberes a tua reformazita tenho eu de fazer descontos exagerados, mas é assim a vida.

Digo-te isto sem ser como uma critica, mas sim como uma opinião.

Anónimo disse...

Queremos mentiras novas.