sábado, 12 de janeiro de 2008

ALENTEJO : Criar emprego e fixar população são metas a atingir

Criar emprego e fixar população são metas que o novo ciclo de apoios comunitários deve ajudar a concretizar no Alentejo, estando um terço do financiamento deste programa regional consagrado à inovação empresarial e à competitividade.
Em entrevista à Agência Lusa, Maria Leal Monteiro, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, explicou que, nos próximos anos, o grande objectivo para a região passa por "ter mais gente"."Queremos dar oportunidade à criação de novos empregos, qualificados, para manter na região as pessoas mais jovens que não têm grandes expectativas profissionais", sublinhou.Com uma dotação financeira de 869 milhões de euros (1.460 milhões no total, acrescentando a contrapartida nacional) distribuídos por seis eixos prioritários, o Programa Operacional do Alentejo 2007-2013 destina grande parte das verbas aos eixos da competitividade, inovação e conhecimento (294 milhões de euros) e da conectividade e articulação territorial (201 milhões).Maria Leal Monteiro antecipa o surgimento de novos postos de trabalho em sectores de actividade tão distintos como o turismo, a aeronáutica ou a agricultura.No Alentejo Central, as principais apostas vão para o sector das rochas ornamentais e para a indústria aeronáutica (fabrico de aviões em Évora e base aérea para helicópteros e aviões de combate a incêndios em Ponte de Sôr).

3 comentários:

Anónimo disse...

Se for verdade aplaudimos. Pois há muito que vamos perdendo população.
è preciso passar das palavras aos actos.

António Venâncio disse...

Só temo que sejam maois medisas anunciadas que numca mais se cumprem. Com o desinvestimento que se tem feito nos últimos temos há zonas onde já só se pode viver, e nascer, porque a Espanha está aqui ao lado!...
Será que é assim que se se quer fixar população.

António Venâncio
http://tascadasamoreiras.blogs.sapo.pt/

Anónimo disse...

O Partido Comunista durante 20 e tal anos em Évora não mais fez do que enxotar investimentos privados daqui para fora. Falava-se numa grande Corticeira e numa fábrica de helicópteros! A Dynaero acabou por se instalar em Ponte de Sor...
Muitos investimentos foram espantados daqui para fora pelos comunistas que JAMAIS SE ESFORÇARAM PARA CHAMAR INVESTIDORES PARA O CONCELHO.
Os entraves, burocracias e má vontade eram tantos que os investidores acabavam por abandonar a região.
A Ex-Siemens Matsushita, Ex-Epcos e agora KEMET caiu aqui de pára-quedas e bem subsidiada, nuns terrenos que eram da própria Siemens. A Câmara Comunista jamais mexeu uma palha para que eles viessem para cá!


Esta Câmara actual, pelo contrário tem se esforçado para trazer a fábrica Skylander....contudo já lá vão 4 anos, umas eleições ganhas á conta disso e fábricas, NADA!
Se nada acontecer até ás próximas autárquicas, independentemente do Dr Ernesto se ter esforçado para trazer o projecto (e de nada mais poder fazer estando a decisão fora da sua jurisdição a fase actua do processo) penso que o Povo retirará as devidas ilações acerca das promessas não cumpridas...